Aparecido largou a batina e abriu o ‘Bar do Bru’

A mãe tinha dois sonhos: que o menino fosse médico ou padre.

Hoje, a história surpreende cliente novo e antigo.

José Aparecido Caveagna, o falante Bru, dono do tradicional bar que faz esquina à praça Sete de Setembro, Centro de Ribeirão Preto, passou cinco anos no seminário.

Dos nove aos 14, parecia predestinado à batina.

Quando ia de férias para o sítio da família, no Paraná, rezava de três a quatro terços por dia nas casas da vizinhança.

Era chamado para benzer bezerro, chiqueiro, pasto e para fazer a oração de tudo quanto era festa.

– Para ser padre, tem que ter vocação.

Um dia, acordou e não entendeu mais o que fazia ali. Conta que foi assim, de repente. Disse que passaria uns dias ajudando o pai no sítio e nunca mais voltou.

Foi descobrir anos depois que sua vocação não é com água benta. Tem mais a ver com a “água que o passarinho não bebe”, como se diz por aí.

 – Para ser dono de bar tem que ser apaixonado!

Há 12 anos, José Aparecido é dono do Bar do Bru. A batina ficou nas histórias que hoje ele tem para contar!

Bar do Bru Ribeirão Preto

É com introdução que ele começa:

– Ô Bru, minha trajetória é a seguinte…

Só na primeira frase, já tem história.

Esse negócio de “Bru” foi coisa da imaginação que voa. José explica que, no começo do bar, sem saber o nome da clientela, se referia a todo mundo como Bru, alterando gênero e idade.

– Se era menina, eu dizia: ‘Bruzinha’. E ficou!

O pronome inventado acabou dando nome ao bar. E nunca mais deixou o vocabulário.

– Eu vim do Paraná, nascido em Araporanga…

E a história continua.

Antes de chegar a Ribeirão Preto, em 1982, Bru fez um tantão de coisas. Os cinco anos de seminário foram o começo, mas depois teve dois anos no serviço militar, concurso para escriturário, faculdade de matemática, mudanças de cidade e muito trabalho.

– Trabalhei em banco, de garçom, caixa de clube, distribuidora de miudezas. Já vendi enxoval, pinga: tava sempre vendendo alguma coisa. Perdia o emprego e tinha que ir para o comércio.

A vontade de ter um negócio sempre existiu. Abriu uma mercearia na década de 80, no Jardim Procópio. Fez o estoque durante os 11 meses em que trabalhou em uma distribuidora de “miudezas”, como diz.

Trocava o vale refeição por latas de milho, ervilha, mantimentos que guardou para abrir as portas do seu negócio.

Durou pouco tempo, porém. Se separou em 88 e acabou deixando o estabelecimento.

Não desistiu. Teve bar, restaurante, trabalhou de cozinheiro até surgir o convite para assumir o ponto onde hoje é o Bar do Bru.

– O lugar era tão pequeno que deveria ir para o livro dos recordes: seis metros.

Por três anos, dormiu em cima do freezer do bar, se desdobrando em turnos como funcionário de um restaurante.

– Eu tive que chorar aí dentro desse bar. Eu tinha um golzinho 63 e me vi um dia sem dinheiro nem para a gasolina. Cheguei no fim do poço e pensava: será que eu saio?

O crescimento foi aos poucos, dia a dia.

Bru tem sua receita especial.

– Tem que largar a tristeza, a dor e trabalhar alegre. Se ficar reclamando da vida, as pessoas vão se afastar de você. Tem que estar sempre 100%.

Com as contas melhorando, foi ampliando o “bar dos recordes”.

Hoje, divide o atendimento em dois espaços, servindo 100 pratos por dia no almoço, além dos petiscos e cervejinhas de toda hora.

– Foi tudo na luta. Mas consegui!

Bar do Bru Ribeirão Preto

No mês passado, José Aparecido completou 60 anos.

Conta que, desde o começo do ano, passou a desacelerar um pouco, fechando as portas do bar aos domingos.

Até então, o trabalho era de segunda a segunda, abrindo às 8h e fechando quando a última mesa vai embora.

– Não tinha feriado, Natal, nada. Tem que dar uma maneirada. Um dia de folga, para esquecer um pouco da vida e reunir as forças para o outro dia.

Diz que só sai do bar com a mega sena no bolso, mantendo o humor de toda conversa.

– Aí, eu vou fugir! Não vou nem sair!

Mostra a foto de bebê que guarda atrás do balcão.

– Eu era um molequinho de roça!

E conta que a pintura da parede do bar – uma fazenda com muito mato – é o retrato do lugar onde crescer.

– A minha história é essa, Bru.

E finaliza, com o mesmo Bru que começou.

Finaliza por enquanto, porque seu repertório de histórias é do tipo sem fim, cheio de prosa.

 

Assine História do Dia! Nos ajude a continuar contando histórias!

Deixe um comentário

Pesquisar