As conquistas de Vilmar

Um carro buzina. O motorista de outro compra um doce. E há ainda o que dá um grito em cumprimento, passando pelo sinal.

Há nove anos vendendo balas e outras guloseimas no sinaleiro da rua Tibiriçá com a avenida Francisco Junqueira, Vilmar coleciona gente querida.

– Tem gente que passa e pensa: coitado. Não diferencia deficiência de doença. As pessoas têm que aprender isso: deficiência não é doença. Trabalhando como vendedor na rua eu comprei minha casa, meu carro adaptado: faço minha vida.

Suas falas são sempre para cima. A tristeza, ele diz, é coisa inventada.

– Felicidade e tristeza não existem. Existem momentos felizes e tristes. A felicidade não é eterna. Mas ainda bem! Porque a tristeza também não é.

Vilmar de Moraes - História do Dia Ribeirão Preto

Vilmar de Moraes tem 47 anos. A história que lhe contaram é que com um ano e nove meses levou um tombo, quebrou o osso da coluna e desenvolveu meningite.

– Não levantei mais.

Apenas no sentido literal. Ele não pôde mais levantar as pernas e andar. Mas nunca ficou por baixo.

Brincava nas ruas arrastando o corpo e, quando entrou na escola, ganhou sua primeira cadeira de rodas.

– O mundo expandiu. A cadeira de rodas é a liberdade para quem tem uma deficiência. Você pode ir a qualquer lugar.

A cadeira de Vilmar lhe levou ao lugar de onde, por mais de 20 anos, não mais saiu. Aos 14 foi convidado para jogar basquete. Passou a integrar o time de basquete de cadeira de rodas de Ribeirão Preto. E ganhou o seu mundo.

– Toda a minha liberdade e habilidade na cadeira vem do esporte.

Viajou Brasil afora competindo e conta que, em 99, ajudou o time a conquistar o título de campeão brasileiro.

Mais que isso, descobriu que a deficiência não iria limitar a vida.

– A única limitação que encontrei até hoje são as barreiras arquitetônicas que os lugares têm. Nós precisamos de adaptações. Só isso.

Deixou de jogar basquete aos 30 anos, por motivos de amor.

Vilmar de Moraes - História do Dia Ribeirão Preto

Conheceu sua esposa por intermédio de uma amiga.

Quando a levou para assistir a um jogo de basquete, arrematou seu coração. Estão juntos há 19 anos, casados desde 2000.

Ela, que não tem deficiências, perdeu colega de longa data.

– A amiga dela viu a gente na pizzaria e ligou no outro dia dizendo que ela estava namorando meio homem. ‘Se você não sabe ver as pessoas por dentro, você é meio gente’, foi o que ela respondeu.

Quando descobriram que a esposa não podia engravidar, depois de algumas tentativas, foi preciso, de novo, bradar ao mundo que o preconceito é erva daninha.

– As pessoas acham que quem tem deficiência não tem vida sexual.

A esposa, então, andava com o exame que atestava seu problema para engravidar embaixo do braço para esfregar na cara de quem ousasse lhe dizer que o problema era Vilmar.

Adotaram um menino, que acabou retornando para a família biológica, mas lhes têm como padrinhos. E se uniram ainda mais.

Vilmar de Moraes - História do Dia Ribeirão Preto

Vilmar trabalha vendendo doces nas ruas de Ribeirão desde os 19 anos. Conta que já trabalhou em empresas, mas não gostou da experiência.

– Aqui, eu faço meu horário, faço amigos.

Há nove anos no mesmo ponto da Junqueira, está em casa. Conhece o pessoal do posto, do clube, de toda a redondeza.

Comprou primeiro uma lambreta e hoje tem um carro adaptado, que dirige sem qualquer dificuldade.

De segunda à sexta, chega para as vendas por volta das 10h e fica até perto das 18h. De sábado, o trabalho é das 9h às 14h. Chegou a tentar aposentadoria pela sua deficiência, mas quando o pedido foi negado, entendeu o motivo.

– Eu posso trabalhar! Sempre trabalhei!

Os problemas? Ele coloca nos devidos lugares.

– Problema sempre vem. Mas se não andar com a cabeça erguida, como vai fazer? Se você desanimar com tudo, vai fazer da sua vida uma tristeza!

Empina a cadeira para a foto, com manobra que aprendeu no basquete. Exibe o sorrisão que está sempre no rosto.

– Tem que ter amor no coração! Quando você olha para o lado, vê que seu problema não é nada!

E encerra mostrando que a vida pode, sim, ser simples.

 

Assine História do Dia ou faça uma doação de qualquer valor!

Nos ajude a continuar contando histórias!

Todos os 7 comentários
  • Eliane
    Responder

    Boa noite sou a Eliane a esposa do Vilmar ele é uma pessoa muito amável e doce ele é o presente que Deus me deu e sou a mulher mais feliz do mundo por que ele é meu companheiro pra todas as horas tenho uns problemas de saúde mais um completa o outro é vamos fazer 20 anos juntos com muito amor ,carinho ,respeito e companheirismo cada dia o meu amor só vem crescer cada dia mais eu não posso ter filhos mais um completa o outro eu choro por não poder ter dados filhos pra ele mais isso não diminuem o nosso amor só aumenta e o Vilmar pra mim ele é um grande campeão na vida porque Deus está sempre abençoando nosso lar e em todos os lugares que estamos ele é meu amor meu fofucho amo ele demais

  • Marília Cristina de Figueiredo
    Responder

    Meu nome é Marília Figueiredo, eu tenho o privilégio de ser amiga dele é de sua esposa, a mais de 10 anos, e posso dizer com. Todas é um vencedor!!!!!!!!!

  • Fredman Marques
    Responder

    Vilmar é uma pessoa de garra e corajosa, pois nunca o vi faltar de sua batalha diaria. Sempre o vejo com um belo e cativante sorriso no rosto e suaves palavras com seus colegas que ali passam. Não tenho tanta aproximação dele, mas todas as vezes que passo de caminhão pelo seu ponto, faço questão de cumprimenta-lo, de fazer algum gesto, alguma buzina, algum oi. Pois faz questão de cumprimentar cada um que mexe com ele.
    Ahhh e com certeza, um cumprimento de uma pessoa feliz faz qualquer dia produtivo.
    Sucesso e mais sucesso pra ti meu amigo desconhecido.

  • Luciano. Baiochi
    Responder

    Sou amigo desse guerreiro jogamos basquete juntos fomos campeão brasileiro juntos e um amigo p toda hora orgulho de ser seu amigo um grande abraço do seu amigo. Luciano. No basquete. Vulgo. Cupim

  • Reinaldo Barbosa Coelho
    Responder

    Meu nome é Reinaldo, trabalhei em uma empresa de Ribeirão com este incrível ser chamado de Vilmar, e aprendi muito com suas atitudes e as brincadeiras e piadas que ele as vezes contava (por ser meio tímido) mas é um grande cara, amigo que gosto muito. (VC VIU MAR) Gde abraço

  • Sandro Fernandes
    Responder

    Conheci o Vilmar por intermédio do meu primo Eduardo que tbm é deficiente físico e junto com.o Vilmar jogava basquete, sei da luta desse guerreira gente fina da melhor qualidade um exemplo a ser seguido tenho orgulho desse cara forte abraço guerreiro vc é 100%

  • Ana Celia
    Responder

    Conheci o Vilmar em uma empresa multinacional no qual trabalhamos (Carrfour), ele é esse SER de LUZ, humilde, carismático e um gde vencedor e acima de tudo Feliz, sua historia é linda Vilmar e ainda hoje qdo passo e te vejo na avenida sempre nos falamos.
    Vilmar e Marcelinho dois vencedores da vida.
    Celinha –

Deixe um comentário

Pesquisar