Há 48 anos, Lelé é parte do Fórum de Ribeirão Preto

Em 48 anos, o dia que mais marcou teve salgadinhos, bolo, amigos reunidos e placa de prata. Foi homenagem pelos 30 anos de trabalho que lá em 1999 Lelé já completava.

Conta que ele – jeito sério, fala formal –  deixou a emoção tomar espaço.

– Quase me desceu uma lágrima dos olhos.

Lelé, 65 anos, escreveu a vida entre os corredores do Fórum de Ribeirão Preto.

Entrou aos 17, por convite do juiz de menores, quando a sede da Justiça na cidade ainda ficava na rua Cerqueira César, Centro.

Diz que dos 700 funcionários que hoje trabalham no prédio enorme na Ribeirânia conhece – por nome, função e, se duvidar, tempo de serviço – pelo menos metade.

E guarda a muitas chaves as tantas coisas que presenciou.

– Tem coisas que a gente não fala, não.

Assim como o jogador de mesmo apelido, Lelé gostava de futebol.

O juiz de menores começou a chamar e Antônio Carlos Domiciano se tornou Lelé num batismo informal, que ficou para a vida toda.

Até mesmo o apelido, que tomou lugar de nome, saiu dos corredores do Fórum.

Lelé Fórum de Ribeirão Preto - História do Dia

Lelé entrou no Fórum em 1969, para fazer serviços externos e resolver tudo quanto era coisa. Depois, passou em concurso e ficou dez anos como ascensorista de elevador.

Em 1986, foi convidado – quase convocado – pelo juiz Ovande Garmes para ser auxiliar judiciário.

– Ele tinha acabado de chegar em Ribeirão e falou: ‘Você vai trabalhar comigo!’.

Lelé não é de muitas trocas. Trabalhou com Ovande até o magistrado se aposentar, depois com outro no mesmo padrão e há 25 anos atua com o Dr. Luís Augusto Freire Teotônio, na Vara do Júri e Execuções Criminais, que soma os crimes mais graves da comarca.

– O Dr. Teotônio é meu patrão, mas é como um pai para mim. Assim como o Dr. Ovande também foi.

Trabalhando no Fórum desde menino, Lelé sonhava em fazer Direito.

Diz que as contas sempre apertadas não deixaram o sonho virar realidade.

– A condição não era boa… Pais pobres, não tinham condição de ajudar.

Se tornou, porém, parte da casa da Justiça. Conhecedor, como ninguém, da rotina que nenhuma lei sabe descrever.

– O segredo? Ah, o juiz precisa ter confiança. Existe uma frase do Chico Xavier que diz assim: ‘Leva-se anos para criar confiança e um minuto para destruir tudo’.

O trabalho de auxiliar pede que Lelé esteja sempre atento as demandas do magistrado: seja para ir ao banco ou organizar pendências internas.

Fala, todo orgulhoso, que, em todo esse tempo, só faltou por doença grave, como quando precisou operar o joelho.

Chega antes do horário, almoça por ali e só vai embora quando o relógio diz que é mesmo hora de ir. Até nas férias, faz questão de dar uma passadinha no Fórum para ver como estão as coisas.

– Eu trato todo mundo muito bem! Me dou bem com todo mundo!

Lelé Fórum de Ribeirão Preto - História do Dia

Lelé não casou e nem teve filhos. Diz que a cabeça sempre esteve nos cuidados com a mãe e no trabalho.

Hoje, mora com a irmã, em um bairro próximo ao Fórum.

Em quase meio século, conta que nunca passou por problemas na casa da Justiça.

No começo, confessa que tinha medo.

– O juiz de menores era muito rígido.

Depois, aprendeu a lidar.

Quando soma os anos de trabalho, se surpreende.

– Nunca pensei ficar tanto tempo! Mas fui ficando. A vontade era ficar.

Tempo de aposentadoria, ele já tem. Falta é vontade de deixar os corredores de vai e vem.

– Vou sentir muito. Passei minha vida inteira aqui.

O Fórum de Lelé está além do que podem definir as leis.

– O Fórum é tudo. É onde a pessoa vem buscar bondade, a mão amiga, o conforto.

Há quase meio século, ele é parte do Fórum de Ribeirão. E o Fórum é parte – quase inteiro – dele.

 

Assine História do Dia por R$ 13 ao mês ou faça uma doação de qualquer valor!

Nos ajude a continuar contando histórias!

Deixe um comentário

Pesquisar