Pâmela divide a rotina entre o trabalho de bombeira e manicure

Há 10 anos, Pâmela é manicure. Há oito, ela atua como bombeira civil.

Para que as duas profissões caibam na rotina, se desdobra e se acostuma com as noites em claro. O amor pelo que faz é energia.

–  O meu coração é dividido. Ainda vou fazer uma tatuagem com o símbolo dos bombeiros e um vidrinho de esmalte.

Segunda-feira é o único momento de folga. De terça à sábado, durante o dia, ela faz unhas em um salão no Boulevard, bairro nobre de Ribeirão Preto.

De quinta à domingo começa a rotina noturna de bombeira.

Pâmela, então, sequer volta para casa. Na quinta cedinho sai com a mala pronta e emenda um trabalho no outro: das 7h às 18h fica no salão. Por volta das 20h, 21h entra na boate e só saí às 6h da manhã, direto para o salão.  Só dorme nas folgas entre uma unha e outra.

Ainda vai à academia praticamente todos os dias, porque a profissão de bombeira exige preparo físico.

Dá canseira só de ler! Ela confessa que toma um energético ou outro para dar conta. E mantém o sorriso no rosto, não importa a dose de canseira.

– Tem que trabalhar com ânimo. Um serviço não pode atrapalhar o outro!

Na madrugada de domingo para segunda, quando a última jornada termina, volta para casa aliviada. A folga é o momento de curtir as duas filhas, de 15 e sete anos: a razão de toda a sua garra.

– Ser mãe é uma realização completa. Tudo o que faço hoje é pelas minhas filhas. Porque quero garantir um futuro melhor para as minhas meninas.

Não há energético melhor!

Salão Shampoo Eliane Pavini Ribeirão Preto manicure Pâmela História do Dia

Pâmela Karen de Barros, 35 anos, conta que sempre gostou de aprender, conhecer, descobrir. Fez curso de pedreira, eletricista, panificação.

O sonho era ser advogada. Fez dois anos de Direito. Mas a vida mudou os planos – e ela não reclama.

Se casou aos 16 anos – apaixonada – e aos 20, cursando a faculdade, engravidou da primeira filha.

– Eu tranquei o curso porque queria ser mãe. Queria viver a maternidade.

Trabalhou no comércio e logo começou a fazer unhas. Diz que sempre somou o serviço de manicure a outro, com dupla jornada.

Trabalhar resgatando pessoas foi ideia que nasceu na infância. A mãe atuava no laboratório de um hospital e levava Pâmela para acompanhar sua jornada.

Aos 21 anos, atendendo aos pedidos da mãe, ela prestou e passou em enfermagem no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto. Mas diz que não quis ir porque não era esse tipo de resgate que sonhava fazer.

– Você não vira bombeira. Você nasce bombeira!

O convite para o curso de bombeira civil veio por acaso.

Trabalhando como manicure, ela conseguiu comprar o próprio apartamento, no bairro João Rossi. O primo da vizinha em frente era dono de uma escola de bombeiro civil.

A vizinha pagou o curso, mas desistiu de fazer. Perguntou se Pâmela gostaria de assumir a vaga.

– Ela me vendeu o curso e eu fui. Foi mais do que eu esperava. A entrega é total. É preciso muito exercício, muita leitura e muita prática por um serviço que não é tão bem remunerado. Como manicure, ganho três vezes mais. Então, é o amor que me faz continuar.

Passou a dobrar as jornadas.  E a dividir o coração entre o glamour do salão e a adrenalina da vida noturna.

Salão Shampoo Eliane Pavini Ribeirão Preto manicure Pâmela História do Dia

A pior noite de trabalho foi em Sertãozinho. Uma criança estava com os pais em uma festa, teve um mal súbito e morreu.

– Criança toca muito. Eu só pensava nas minhas filhas.

As noites de Pâmela contrastam com seus dias.

– O salão é um mundo de beleza, de glamour. As pessoas vêm aqui para relaxar, conversar. Muitas desabafam, contam suas histórias!

Quando veste o uniforme de bombeira, ela se transforma. A leveza e o sorriso dão lugar ao rosto sisudo. O assédio que vem de todos os lados é um dos motivos para essa sisudez.

– Eu preciso ser séria. Fico com a cara mais fechada, para que eu seja respeitada. Existe assédio de frequentadores da boate e até mesmo de parceiros de trabalho. Quem vê as duas pessoas não acredita!

Trabalhando como bombeira na boate e em eventos, perdeu as contas das brigas que socorreu, dos bêbados separados das namoradas que consolou, das vezes em que foi ombro amigo. Cuida de enfermidades que vão de vômito a cortes graves.

Nessa rotina, já tentou socorrer um jovem que se jogou de uma torre de energia no final do evento e morreu. A jornada estava terminando e Pâmela se preparava para ir embora quando a tragédia ocorreu.

Também atendeu a muitas overdoses, de jovens com todas as idades.

– As pessoas fogem do controle. Se transformam. A noite é cruel.

Em meio a tantos excessos, ela tenta entregar o seu melhor.

– A gente procura acolher, conversar. Você aprende a se doar para a pessoa. A tentar ajudar sempre. Não tem espaço para ser egoísta.

Todas essas “aventuras” noturnas viram assunto no dia seguinte, entre as clientes e colegas de trabalho do salão.

– Elas querem saber de tudo. E também querem contar as histórias delas!

Ali, cuidando da beleza, Pâmela compartilha seus desafios como bombeira. E embarca em um universo totalmente diferente.

– Tenho clientes que viajam muito, para muitos países. Elas contam suas histórias e eu me sinto viajando com elas!

O coração é grande. Tem espaço para as contrastantes rotinas!

Salão Shampoo Eliane Pavini Ribeirão Preto manicure Pâmela História do Dia

Agora, Pâmela já prepara um novo passo. A paixão pela carreira de bombeira fez surgir a vontade de prestar concurso para Polícia Civil.

E ela garante que consegue estudar, entre uma jornada e outra.

– A vida não tem sentido se você fala: “Já bati minha meta”. E daí para frente? Se temos a oportunidade de aprender, por que não?

O objetivo, além de continuar o movimento de estar sempre a aprender, é o futuro das filhas.

– Elas são meu porto. Quero dar a elas o melhor.

O momento de mais emoção vem quando ela fala do tempo com suas meninas. A rotina tão ocupada lhe faz ficar longe de casa.

– Em tudo o que eu faço, eu penso nelas. Eu só tomo um açaí porque sei que elas têm o dinheirinho delas em casa para tomar também.

Se está realizada? Já dá para imaginar a resposta!

– Sim e não! Ainda tenho muita coisa para conquistar.

No salão, diz que se sente acolhida.

Com o uniforme de bombeira, está cumprindo uma missão.

Em casa, com suas filhas, encontra o sentido de tudo. E a energia para continuar!

 

Assine História do Dia por R$ 13 ao mês ou faça uma doação de qualquer valor AQUI!

Nos ajude a continuar contando histórias!

Deixe um comentário

Pesquisar