Vale a pena ler de novo: Música eletrônica de Dudu nasceu em Sertãozinho e viajou o mundo

-Já nasci underground por natureza!

Dudu Palandre é um dos nomes da House Music no Brasil e coleciona shows fora do país, com renomados rótulos internacionais.

Com a dupla Anhanguera, conquistou o seleto público que curte música eletrônica alternativa.

Antes de toda realização, porém, colecionou baladas tortas e madrugadas de muito trabalho. Pensou em desistir. Repensou. E, ainda hoje, diz que a música não trouxe retorno financeiro.

Sabe, porém, que a sua batida é motivada por outro tipo de nota.

– Fazer música e tocar é meu maior prazer. Seria uma grande frustração, depois de todo o meu empenho, ter que parar e me tornar uma pessoa normal.

Dudu Palandre Anhanguera música eletrônica

Dudu cresceu em Sertãozinho e começou a trabalhar aos 13 anos, para aliviar as contas apertadas dos pais.

Foi paixão à primeira vista. Ou, primeira audição, para ser exato. Início da década de 90, estava assistindo à transmissão de um Rock in Rio pela televisão e viu um DJ tocando.

– Me apaixonei na hora!

Usava o som de casa para brincar e começou a frequentar lugares com DJ, para admirar o trabalho. Em Sertãozinho, a música eletrônica da época se restringia ao som comercial.

E foi por onde Dudu começou.   Dudu Palandre Anhanguera música eletrônica

Começou a trabalhar na parte de iluminação de uma boate e, atento ao som, ia aprendendo a tocar.

Aos 17 anos, o DJ escalado para aquela noite faltou e Dudu foi chamado para resolver o susto. Passou, então, a abrir a casa como DJ oficial.

Foi nessa mesma boate que começou o que ele considera ter sido o primeiro projeto de música eletrônica da região de Ribeirão Preto.

Lançou o Moving, um encontro de música eletrônica alternativa. E foi, cada vez mais, se encantando por esse caminho e encontrando a House Music.

O encontro com Décio Deep, sua dupla na Anhanguera, aconteceu nessa fase de adolescência, antes mesmo do Mooving.

O amigo tinha um par de CDJs que, na época, era novidade no país. Foi a deixa perfeita para o início da amizade.

Antes de decidirem começar a dupla, porém, cada um foi conquistar a música de um lado. Décio passou um tempo fora do país, Dudu fez faculdade de Publicidade e Propaganda e trabalhou um tempo na área.

– Meu amor tá na música. Tá no meu coração!

Em 2004, os dois se reencontraram musicalmente.

O nome da dupla surgiu pelo caminho de encontro. Décio morava em São Paulo e Dudu em Ribeirão. A Anhanguera era a via que os ligava.

– É também como os índios chamavam os bandeirantes.

Estava criada a nova batida!

 

Logo no início do Anhanguera, Dudu e Décio tiveram uma música gravada em um CD da MTV.

– A produção no Brasil estava começando. Foi um orgulho ser pioneiro não só em Ribeirão, mas nacionalmente também.

Como no Brasil o som estava começando a pegar, Dudu resolveu buscar contatos fora  do país. E a Anhanguera começou a ganhar novos ouvidos.

Conquistaram selos europeus, tocaram no Winter Music Conference (um dos principais eventos de música eletrônica do mundo), fizeram turnês internacionais.

A música Gangsta Melody saiu em um EP com mais três artistas internacionais, sendo o primeiro lançamento em vinil do Anhanguera, pelo selo francês RobSoul.

– Gente do mundo inteiro toca o nosso som. É pretensioso, mas acho que somos o maior nome da House Music no Brasil.

O orgulho de Dudu extrapola as batidas. E dá à música mais argumentos para continuar.

– A música me fez conhecer lugares, pessoas, culturas. Tenho amigos pelo mundo todo.

Dudu Palandre Anhanguera música eletrônica

– Eu fui zoado pelos meus amigos quando comecei. Ninguém conhecia aquele tipo de som. Era marginalizado, visto como música de maluco. Mas continuei persistindo.

A descrença do passado não faz mais parte da rotina de Dudu.

A persistência, porém, ainda é necessária.

– Eu continuo persistindo até hoje. A House nunca some, mas fica em plano de fundo.

A tecnologia, entretanto, trouxe valorização.

– Eu vou morrer, minha carreira vai acabar, mas, enquanto existir a nuvem, minha música vai estar lá.

Faz referência ao som do Anhanguera, que integra o repertório de aplicativos como o Spotify.

Conta que o primeiro “parabéns” do pai veio quando ele voltou da turnê pela Europa, em 2009, já depois de décadas fazendo seu som.

– Acho que foi a primeira vez que ele entendeu que estava dando certo.

Quando está tocando, se sente especial. Como nesse primeiro “parabéns”.

– Naquele rasgo do tempo eu sou um dos caras mais felizes. É o auge da minha felicidade. Uma sensação que não se compara.

Quer continuar pelo caminho da Anhanguera, ligando muito mais que São Paulo e Ribeirão.

 

Assine História do Dia ou faça uma doação de qualquer valor AQUI!

Nos ajude a continuar contando histórias!

Deixe um comentário

Pesquisar