As vitórias de Fábio Miguel

Esta história foi narrada pela jornalista Daniela Penha. Para ouvi-la, é só clicar no play:

 

Fábio Miguel já chama “mamãe”, “papai” e completa com o “já” quando os pais contam: “1, 2, 3 e”. Imita o “miau” do gatinho e quer falar o próprio nome. Também está aprendendo a rolar. Levou dois tombos do sofá nesses dias! Apesar do susto, houve comemoração.

Marcelo e Priscila fazem uma lista das conquistas diárias do filho. Cada novo movimento – até mesmo a queda do sofá, sem machucados – é motivo de alegria e alívio.

Não foi uma única vez. Foram vários os momentos em que médicos pediram para os pais se prepararem. “Ele pode não passar dessa noite”, avisavam. Depois, disseram que o menino iria viver em “estado vegetativo”, classificação tão difícil de entender. O que estariam dizendo?

Com quase três anos, Fábio Miguel interage com a mãe, faz pose para a foto e fica atento ao desenho preferido que passa na televisão. O portão bate lá fora e de imediato ele vira a cabecinha para saber o que está havendo.

A última notícia recebida é a de que o menino seria surdo. Estão fazendo exames para confirmar, mas a mãe custa a acreditar. E ele vai dando sinais de que continua com a mesma força de quando veio ao mundo, lutando para sobreviver com menos de dois quilos, revertendo expectativas médicas e certezas científicas.

– Ele lutou muito para estar aqui. É um guerreiro, um milagre. A gente era muito feliz, mas a vida teve outro sentido depois que ele chegou.

É a mãe, Priscila Bastos, quem diz, com o pai todo emocionado fazendo coro ao lado.

As vitórias de Fábio Miguel

Fábio Miguel foi planejado e esperado. Os pais tentavam há alguns meses quando o positivo no exame veio, em 2016.

Priscila conta que a gestação foi tranquila até completar 30 semanas e cinco dias. Ela teve uma cólica, buscou o médico e depois de altas, novas dores, exames e sua insistência, por sentir que algo não estava bem, descobriram que bebê e mãe corriam risco, caso não fosse realizado um parto de urgência.

O pai, Marcelo Bastos, não pôde assistir seu filho nascer. Ele conta que os médicos foram enfáticos ao dizer que o bebê poderia chegar sem vida. Mas Fábio Miguel chorou no parto, tranquilizando um pouco o coração da mãe.

– Aí começou a luta dele aqui fora.

Priscila só pôde conhecer o filho 15 horas depois do nascimento, na UTI neonatal.

Parecia que tudo estava bem, só uma questão de tempo para amadurecer e ganhar peso: ele nasceu com 1,250 quilos e 37 centímetros.

No terceiro dia de vida, porém, o pequeno começou a ter dificuldades para respirar, foi entubado um pouco depois e o quadro foi piorando. Os pais tiveram que voltar para casa sem Fábio Miguel.

– Você sair de casa com a barriga cheia e voltar de braços vazios é a pior sensação do mundo.

Nas palavras doídas da mãe.

Vieram infecções, hemorragias cerebrais, transfusões de sangue, muitas medicações. Com um mês e 14 dias, ele fez sua primeira cirurgia, para a correção do problema respiratório.

Depois, veio a suspeita de que havia contraído o citomegalovírus na gestação e os exames para a confirmação. Aos dois meses, os médicos fizeram uma ressonância e viram que parte do cérebro estava comprometida. Veio a notícia do possível “estado vegetativo”.

– Pelo que mostrava no exame, ele iria mexer só a bola do olho. Mas ele já mexia os braços, as pernas, virava, ia para frente na incubadora.

As vitórias de Fábio Miguel

Os pais chegavam ao hospital sem saber o que iriam encontrar. Uma notícia alegre vinha quase ao mesmo tempo de outra triste.

– Nessa vida de hospital você enfrenta de tudo… bebês que não sobrevivem, dias bons e ruins. Eu tirei forças do Marcelo e ele tirou de Deus.

A mãe se apegava ao pai, que recorria à fé. Marcelo conta que guardou só consigo muitas das más notícias trazidas pelos médicos. Queria amenizar um pouco o sofrimento de Priscila.

Todos os dias, eles rezavam antes de dormir e a caminho do hospital. A oração de são Miguel Arcanjo, para o pequeno Miguel, era uma das preces diárias.

No Natal, conseguiram estar com o pequeno até um pouco além dos horários que a UTI permitia. Eram só três visitas ao dia, com períodos pequenos de permanência.

– Foi o pior Natal da nossa vida…

Aos três meses de vida, as notícias boas começaram a ser mais prevalentes. A expectativa de ir para o quarto se completou aos 79 dias.

As vitórias de Fábio Miguel História do Dia

A mãe ficou 25 dias internada junto com o pequeno, se preparando para o momento de levá-lo para casa. Marcelo reinventava as horas do dia entre o trabalho, a conclusão da faculdade de Direito e a função de pai. Passava madrugadas no hospital, ia trabalhar no outro dia, voltava à noite.

Fábio Miguel tem duas datas de aniversário. No dia 25/03/2017 os pais comemoraram a vinda do filho para casa e instituíram que ali ele nascia de novo.

– Quando ele nasceu, eu não fiz o repouso da cesárea, nada disso. Porque queria estar no hospital. Quando ele veio para casa, era como se eu estivesse vivendo a cesárea. Tinha a sensação de sentir a cirurgia ali.

As vitórias de Fábio Miguel

Em casa, as lutas diárias continuaram. Fábio Miguel precisou passar por mais três cirurgias: retirada de uma hérnia, correção do refluxo, gastrostomia.

Com um ano e seis meses, veio o diagnóstico da paralisia cerebral. Depois, os pais souberam que o pequeno tem microcefalia. Os acompanhamentos médicos são muitos e constantes: pediatra, neurologista, gastro, infectologista, otorrino, terapia ocupacional, fonoaudióloga, equitação, e por aí vai.

Para os pais, a lista que importa, porém, é a das conquistas diárias.

– A gente tem que aproveitar a possibilidade de estar com ele todos os dias. O que eu quero é que ele viva, mais nada.

O pai diz, com o complemento da mãe:

– Ele nos trouxe o significado da calma, paciência. Nos fez entender que as coisas não funcionam no tempo que a gente quer. Nós comemoramos um dedo que ele consegue mexer. Damos valor a cada detalhe.

Só agora a mãe está retomando o trabalho. Não conseguia ficar longe se seu pequeno.

– Ele é o meu ar. Não consigo viver sem ele.

Entende, porém, a importância de Fábio Miguel frequentar a escola regular. As aulas começaram faz alguns dias. Por que não?

 

Os planos que fazem para o filho nada têm a ver com a melhor faculdade e o emprego bem-sucedido, porém. Querem o mais simples – e importante:

– Eu quero que ele seja feliz! E se eu puder lutar pelos obstáculos ao lado dele, eu vou. Só quero ver o sorriso no rosto dele.

Nas palavras da mãe.

O pai não esconde. Sonhava, sim, em jogar futebol com seu menino. Continua sonhando, mas de um jeito diferente.

– Eu agarro na mão dele e nós vamos. Devagarinho, mas vamos.

O principal desafio, eles dizem, não está em conquistar ao lado de Fábio Miguel. Mas em fazer com que as pessoas entendam e integrem o menino, como ele é.

– O cruel é que o mundo não está pronto para receber o diferente.

As histórias de preconceito já se acumulam. Mas os pais seguem firmem. Aprendem diariamente com Fábio Miguel que a força mora bem dentro.

Comemoram o primeiro aninho do filho com o tema do Pequeno Príncipe. No segundo, também teve festa. Assim como em todas as datas que podem estar com Fábio Miguel.

As fotos estão na parede de casa, coladas junto a um enorme adesivo que fala da importância da família: “Amo muito tudo isso”.

Estão juntos nessa – e em todas as outras que virão.

 

Fotos: História do Dia e arquivo pessoal da família

 

*Quer traduzir essa história em libras? Acesse o site VLibras, que faz esse serviço gratuitamente: https://vlibras.gov.br/

 

Assine História do Dia por R$ 13 ao mês ou faça uma doação de qualquer valor AQUI.

Nos ajude a continuar contando histórias!

Mostrando 5 comentários
  • Tiago Bastos
    Responder

    Fábio Miguel é nosso GUERREIRO, apesar de nossa correria do dia-a-dia acompanhei e acompanho essa luta dele e dos Pais, oro a Deus tds os dias pela vida do Fábio Miguel e para continuar dando forças ao Marcelo e a Priscila q imagino não ser fácil.
    #NossoGuerreiro

  • Regina jacob
    Responder

    Marcelo e Priscila vcs foram pessoas escolhidas por Deus sem essa fortaleza do amor não poderiam suportar tantas dificuldades transformadas em vitórias.
    Parabens é que sigam em frente pois Deus mostra a todo instante que está aqui.
    Bjus nos corações

  • Nayara Buosi
    Responder

    Fábio Miguel é um anjo que veio para alegrar nossa família, esse GUERREIRO tem os melhores papais que Deus poderia dar!??

  • Rodrigo Bregge
    Responder

    Exemplo de força e fé é um pouco do que define esse grande guerreiro, com certeza terá grandes vitórias e alegrias pela frente, que Deus abençoe vc Fabio Miguel e essa linda família, conte conosco Guerreiro.

  • FABIANA BUOSI OLIVEIRA DE FREITAS
    Responder

    Ele e um guerreiro ,as lutas continuan ,mas deus e maior..lutar sempre ,desistir jamais ???????GUERREIROFABIOMIGUEL???????

Deixe um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

José Carlos biblioteca Altino Arantes Ribeirão Preto - História do DiaMickael Jackson das ruas de Ribeirão Preto