Marilena é a guerreira de cada dia: ‘Eu me sinto vitoriosa’

Marilena faleceu no dia 21 de dezembro de 2018. Essa história é nossa homenagem.

 

Manhã sim e outra também, Marilena chega ao prédio com sorriso no rosto e um bom conselho na ponta da língua. Abre o portão, rega as plantas, lava a escada, fecha a janela do apartamento que alguém esqueceu aberta.

Há 13 anos, de segunda a sábado, tem sido assim.

Ninguém sabe muito bem se ela é porteira, responsável pela limpeza ou guardiã desse edifício na zona central de Ribeirão Preto. Todos sabem bem demais que Marilena Andrucioli, 63 anos, é quem, de um jeito ou outro, resolve qualquer problema.

Ela sabe o nome dos moradores, onde ficam os encanamentos, registro do gás, controles reserva, telefone do socorro para o elevador emperrado, quais são as imobiliárias e os proprietários de cada apartamento.

Sabe quem precisa de um abraço antes de sair para o trabalho e fica com a chave de quem sempre esquece se desligou – ou não – o ferro de passar.

Faz tudo com aquele brilho no olho e um jeito que, há três anos morando nesse prédio, eu sei bem.

– Sinto como se estivesse na minha casa. Portanto, nem pressa de ir embora eu tenho.

Ela chega para a entrevista chorando. E não sabe explicar se é emoção ou nervosismo.

– Eu não sei o que vou falar!

Segundos depois, está a contar da vida, que nunca foi fácil.

Dos sete irmãos, viu dois falecerem de doença. O pai era caminhoneiro, a mãe dona de casa. Precisou deixar a escola no primário.

– A gente era muito pobre. Vivia com dificuldades, ajuda dos outros.

Aos 13 anos, teve seu primeiro registro na carteira de trabalho, como operária em uma fábrica de caixas de sapato.

Diz, estufando o peito, que tem poucos registros e muitos anos de trabalho nos mesmos lugares. Ficou cinco anos na fábrica, mais 22 em uma grande empresa e, depois de aposentada, começou a fazer faxina e foi convidada a trabalhar em condomínio.

Foram oito anos em um prédio e 13 no atual, de onde não pretende sair.

– Sempre fui…  assim, querida, sabe? Querendo ajudar todo mundo.

E está aos prantos de novo.

– Falar da gente é difícil… emociona.

 


O único assunto que faz o olho brilhar mais que o trabalho são os dois “meninos” de Marilena. O mais velho tem 37 anos e o caçula 18.

Numa manhã como tantas outras, lá em 2014, ela me disse que estava preocupada. O filho mais novo havia decidido expor ao mundo sua orientação sexual.

– Ele é gay, sabe? Para mim, não tem problema. Mas eu me preocupo com o mundo lá fora. Tenho medo que ele sofra.

De lá para cá, a opinião continua a mesma. E o apoio que a mãe dá ao filho não tem medidas.

– Não adiantava querer que ele fosse um advogado. Ele queria era ser cabelereiro.

Juntou as economias e montou um salão para o filho trabalhar.

Com ele, foi pela primeira vez a um show, a uma festa e às paradas gays de Ribeirão. A vida, entre a casa e o prédio, ficou mais colorida.

Marilena diz que não tem um grande sonho. Nunca andou de avião – e, de medo, nem quer andar. Ficou bem feliz com a viagem de 600 quilômetros que fez para o Divino Pai Eterno, em Goiás. Foi de ônibus.

A grande vontade era reformar a casa onde mora com os filhos – e conseguiu. Agora, só espera que os “seus meninos” tenham saúde e vida boa pela frente. E avisa:

– Dessa vida a gente não leva nada! Tem que ser honesto, humilde, respeitar a família. Com luta, trabalho e Deus, você vence!

Quando a entrevista chega ao fim, ela não está chorando. Fala firme e chega a aumentar um tom da voz.

– Hoje eu me sinto uma guerreira! Uma vitoriosa e vencedora! Sofri, mas superei toda a dificuldade.

Solta uma gargalha gostosa e estridente, me abraça e exibe seu batom vermelho para a foto. Vai embora sem tomar café – prefere mesmo uma cervejinha gelada.

Mostrando 14 comentários
  • Marta Contente
    Responder

    Dani, emoção define!
    Gratidão define!
    Orgulho de ser sua vizinha e ter o privilégio de ler suas palavras também define a sensação de acompanhar cada uma de suas histórias do dia!
    Parabéns!

  • Karla Guerrero
    Responder

    Ela é demais????????

  • Sandra
    Responder

    Lena tenho muito orgulho em ser sua prima, um grande abraço, Que Deus te abençoe sempre!

  • Juliana Cristina Faria
    Responder

    Linda história da lena, digo isso por ser sua vizinha ha mais de 30 anos,sei das suas lutas e vitórias,alegrias e decepções, mas isso nunca tirou esse sorriso que conhecemos tão bem, seus filhos, duas preciosidades, garotos de ouro, suas bênçãos em sua vida, quem os conhece se apaixonam…
    Realmente a história da Lena, relata a vida de muitas Lenas, Marias, Neusas, Franciscas e por aí vai… mulheres de fibra e guerreiras que passaram de um tudo nessa vida e não deixaram a peteca cair! Linda reportagem!

  • Natalia miranda
    Responder

    Sempre foi assim alegre ela foi e ainda é uma guerreira minha mae que é irma dela amava ela sempre tomavam uma cervejinha juntas tia vc e maravilhosa continue assim e que Deus siga te abencoando muito !!! Bjusss no seu coracao sua sobrinha Natalia Miranda !

  • Andréa
    Responder

    Maria Helena foi uma grande amiga da minha mãe, e depois descobrimos que ela trabalhava no edifício que minha avó mora, e posso afirmar que ela cuida de minha vó tanto quanto nós, e esse cuidado é recíproco.
    Ela é muito querida e tem todo meu respeito e gratidão.

  • Delson G. Lima
    Responder

    História verdadeira de uma mulher, guerreira e lutadora. Falo com muita emoção. O que seria o nosso condomínio sem ela,como Sindico sei muito bem O quanto ela nos ajuda a manter o prédio em ordem atendendo a todos com muita simpatia e alegria.Deus te abençoe!

  • NICI
    Responder

    Muito querida essa lindaaaaaaaaa, que Deus te abençoe muito ilumine te proteja sempre cada dia mais e mais Lena amada ??????????????

  • Alexandra Oliveira
    Responder

    É um exemplo de mulher feliz e de bem com a vida te admiro lena bjs

  • Marta Adriana Lopes
    Responder

    Apesar de não tê-la conhecido pessoalmente, me emocionei com a sua trajetória.

  • Andrea Defelicibus
    Responder

    Nunca a conheci.. mas me lembro de um dia saindo do salão do Denilson um sorriso dela chegando de um dia provavelmente cansativo de trabalho…

  • Lu Feitosa
    Responder

    Conhecia muito pouco,mas o bastante pra saber de sua grandiosidade.
    Vá em paz.

  • Natalia
    Responder

    Minha tia querida ! Que triste ? vc vai faze muita falta ! Sua alegria nos contagiava vc vai sempre permanecer em nossos corações! A Bíblia promete que os mortos voltarão e estarei te esperando pra te da um grandeee abraço!! Amamos vc

  • Marcia Rosseto
    Responder

    Orgulho mesmo desta figura diferenciada….Sempre pronta pra lutar e aprender. Que Maria a receba com todos as glórias merecidas. Mil beijos, lena!

Deixe um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

João garapeiro Ribeirão Preto