Thiago encontrou na fotografia um ‘atalho do bem’

Vale a pena ler de novo! História publicada pela primeira vez em 22 de agosto de 2017! 

 

Thiago é um sonhador.

Sonha com a gentileza que vence, a educação que transforma, o caminho que sempre tem um atalho do bem.

Sonha com motivo. Viu o sonho ser real quando reverteu as probabilidades.

Conta que a maioria dos seus amigos de infância está preso ou no crime.

Thiago Ramos sonha. E transforma o sonho em alimento para os olhos e a alma.

O menino negro, morador da periferia de Ribeirão Preto, hoje é jornalista, fotógrafo e poeta. Ministra cursos, faz exposições, coloca o mundo no papel somando palavras e imagens.

– Eu me cobro muito no sentido do que estou fazendo no momento para ajudar o outro. Pretendo, com os meus projetos, ajudar. Seja da forma que for.

Continua a sonhar. Com motivo ou sem. Cheio de esperança.

 

Thiago Ramos fotografia

A complexidade de olhar para si próprio.

 Thiago Ramos

 

A fotografia foi o primeiro atalho do bem.

Entre as pipas e as brincadeiras de rua, Thiago descobriu a câmera.

Os pais sempre estiveram ao lado, norteando o caminho. Veio do pai a câmera digital, sem grandes recursos, mas cheia de possibilidades para o adolescente de 13 anos.

Saiu por aí, registrando o que via de mais belo. E encontrando, então, beleza em tudo.

Aos 17, entendeu que aquele hobby era paixão sem remédio. Sozinho, passou a estudar, aprender, se profissionalizar.

Começou a trabalhar cedo. Foi animador de festas, DJ, telemarketing, fiscal de transporte urbano. Quando decidiu que seria fotógrafo, passou a guardar parte do que ganhava e, aos 25 anos, comprou a primeira câmera profissional.

Já sabia como usar, de tanto estudo.

E, mais que isso, descobrira nesse tanto de caminho, uma outra paixão.

– Enquanto eu juntava dinheiro para a câmera, conheci a literatura.

Começou lendo Sidney Sheldon e, pela primeira vez, entendeu que ler era bom. Passou para Cecília, Bandeira, Drummond e logo estava escrevendo.

Guardava no fundo da gaveta cada palavra, onde ninguém pudesse encontrar.

– A gente subestima nosso talento. Essa é uma das coisas que eu procuro mostrar nos meus cursos.

O sonho da faculdade chegou aos 28 anos, com uma bolsa. Thiago conquistou uma vaga de emprego no Senac e a empresa ofereceu a bolsa de 80% na faculdade de Jornalismo.

A essa altura, ele já fazia bicos profissionais como fotógrafo, colecionava escritas e via o jornalismo como uma forma de unir tudo isso.

Quando estava prestes a se formar, teve a ideia: por que não juntar imagem e som?

– Eu olhava para a foto e saía um texto. Fui criando um acervo e criei coragem para colocar na internet.

Estava criado o projeto “Imagens escritas e poesias fotografas”, unindo as duas paixões sem remédio em um mesmo espaço de tempo.

Pelo projeto, Thiago foi convidado para fazer exposições e oficinas. Começou a compartilhar o que tanto faz bem.

– A foto e a escrita são formas de desabafar os sentimentos que a gente tem, desafogar o coração. Como faz bem para mim, eu acredito que faça bem para outras pessoas. É uma terapia.

 

Thiago Ramos fotografia

 Certa vez, o filho perguntou:
-Pai, é verdade que existe uma capa que deixa a pessoa invisível?
O pai, meio que cabisbaixo, respondeu:
-Sim filho… existe sim.
-Poxa, que legal pai, eu quero uma!! Você me dá de presente?
-Prometo, filho. Farei de tudo… para que você nunca vista essa capa.
Perplexo, o menino com o olhar vazio, calou.
Durante suas rotineiras orações, pedia ajuda para que tivesse condições de oferecer uma vida digna ao seu filho. Para que o garoto nunca precisasse vestir o uniforme fluorescente, feito pra brilhar, mas também pra esconder gente.
O uniforme era seu atestado de subcidadania e mais tarde o filho entenderia a negação daquele dia.

Thiago Ramos

 

Aos 33 anos, Thiago se sente realizado, mas avisa:

– Não estou satisfeito!

A insatisfação não vem só de dentro, mas de fora. Sonhador, se incomoda com um mundo onde o que é ruim ainda impera.

– As pessoas estão com ódio ao próximo. Há um véu de fumaça: tudo é dividido em esquerda e direita, bom e mal.

Os planos pessoais são muitos – como deveria mesmo ser.

Hoje, já tem lista de premiações e exposições. E quer mais: lançar um livro com sua arte, expor em outros lugares, compartilhar ainda mais o que sabe, trabalhar também com jornalismo.

O grande plano abraça todos os outros:

– Quero ajudar a colocar amor na vida das pessoas, porque os tempos estão difíceis.

Thiago se sente um número fora da probabilidade.

– Eu me enxergo como muito privilegiado. Um jovem, negro, da periferia, de classe média baixa que conseguiu cursar uma faculdade, teve incentivo da família, não desistiu.

E espera que um dia os números se invertam.

– Ninguém nasce com a índole ruim. O caminho te leva para isso. Esse desvio de conduta vem da falta da educação, do incentivo dos órgãos públicos, da oportunidade.

Aos 33 anos, Thiago encontrou um atalho do bem.

– A fotografia me abriu os olhos para outro mundo que antes eu não enxergava. Oportunidades que estavam dentro de mim… Quantos jovens passam a vida sem enxergar?

Mostrando o belo em imagens e palavras, quer abrir novos atalhos, semear o bem.

 

Assine História do Dia por R$ 13 ao mês ou faça uma doação de qualquer valor AQUI.

Nos ajude a continuar contando histórias! 

Thiago Ramos fotografia

Paro e observo,
a eterna batalha dos mares.
Penso e reflito,
quão semelhante será
a eterna batalha da vida?
É corriqueira a sensação de que estamos dissolvendo.
Metamorfose, mágica
nossas partículas, retornando às estrelas.
Assim como rochas, se desfazendo
em pequeninos grãos de areia
que mergulham de volta ao infinito do oceano.
Sim, concluo…
A vida é onda que quebra em nós.

Thiago Ramos

 

Conheça mais sobre o trabalho de Thiago no Instagram e Facebook

Crédito da foto destaque: Rafaela Alves 

Comentários
  • Tania Scavazzini
    Responder

    Esse Thiago é nosso tesouro! Muito obrigada por fazer parte do meu dia-a-dia.

Deixe um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

Restaurante Bem Brasil Ribeirão PretoAna Paula Marini O lápis cor da pele do menino marrom